quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

Casas pequenas: 5 projetos de 45 até 130m²


Práticas, versáteis e dinâmicas: são essas as características que definem as cinco casas pequenas projetadas pelos profissionais do CasaPRO (rede de profissionais do Casa.com.br) que selecionamos nesta galeria. Pensados para jovens solteiros, casais ou famílias com filhos, os projetos destacam o cuidado com a otimização dos espaços, a integração e a ambientação multiuso. "Queremos mostrar que é possível habitar com conforto, design e um pouco de luxo. Tudo isso sem gastar muito, em espaços restritos", afirma o arquiteto Luiz Henrique Pinto Dias, autor do projeto Box House, em exposição na Casa Cor Paraná.

A edição de junho de CASA CLAUDIA traz 43 soluções de decoração para casas compactas, com dicas para espaços de 120, 143 e 220 m². Na discussão do CasaPRO, uma questão foi levantada: até que tamanho uma casa pode ter para ser considerada compacta? Afinal, 200m² em uma área urbana beira o latifúndio... A arquiteta Larissa Lieders relativiza. Para ela, além da metragem, é necessário considerar o número de moradores que dividirão o espaço. "Quanto maior a família, mais os moradores terão que compartilhar as áreas", aponta. Reunimos aqui projetos de 45 até 130 m², pensados para diferentes perfs de moradores. Navegue pela nossa galeria e conheça as soluções apontadas pelos profissionais em cada uma delas para fazer a casa crescer.



A Box House de 60 m² projetada pelo arquiteto Luiz Henrique Pinto Dias para a Casa Cor Paraná é formada por três módulos: cozinha e estar, home office e dormitório, e sala de banho. A estrutura simples, geométrica, é feita em alvenaria estrutural.
O projeto tem 60 m² de área interna e mais 40 m² de área externa, que compõe o estar social. Por ser modular, permite expansão horizontal ou vertical – com a anexação de novos blocos ao redor ou em um novo pavimento. Assim, o espaço pensado incialmente para um jovem casal, pode ser ampliado para receber futuros filhos.


O porcelanato (Ceusa) predomina nos revestimentos. Na área externa, o piso Extint imita madeira de demolição e o SPA recebeu porcelato que simula canjiquinha. No interior, o revestimento cerâmico imita o mármore calacata e travertino. “É uma forma de ter o luxo sem gastar muito. Além disso, esse tipo de revestimento tem praticidade na manutenção, ideal para o público com pouco tempo”, destaca Luiz Henrique.


A planta baixa da Box House permite visualizar a estrutura modular do projeto. Para o arquiteto, o essencial em áreas pequenas é garantir o conforto. “Nesses projetos, não pode haver desperdício de espaço, tanto na horizontal como na vertical. Utilizar um beliche ou aproveitar os espaços sob a cama pode fazer toda a diferença, sem abrir mão do design”, aponta.


O Conteiner Loft, desenvolvido pelos arquitetos Lair Schweig e Livia Ferraro é construído a partir do reaproveitamento de conteiners marítimos fora de uso. O projeto de 45 m² foi desenvolvido para a mostra Casa Cor Santa Catarina. A estrutura em caixas favorece a mobilidade: caso o morador precise se mudar, é só levar a casa junto. “O conteiner serve para quem tem vida dinâmica. São pessoas que podem mudar de cidade, alugar terrenos e até acoplar vários conteiners”, idealiza Lair.


Nos revestimentos, o projeto pretende seguir a linha sustentável e conta com madeira de reflorestamento, rodapés 95% reciclados de poliestireno, piso de pvc com base de borracha (pneu reciclado) e pintura térmica à base d água. A iluminação externa é feita com leds e painéis fotovoltáicos são responsáveis por 50% da geração de energia.


Entre as soluções para aproveitar os espaços, a lavanderia fica embutida nas portas originais do Container e tem acesso por fora. Por uma abertura no banheiro, o morador joga a roupa suja diretamente no cesto na lavanderia. Nela, pode-se secar as roupas à sombra (com um varal na parede) ou ao sol, com um varal na porta. Durante a noite, com as portas fechadas, duas janelas garantem a ventilação deste ambiente.

Com a área total de 45 m², o projeto é composto por dois pavimentos. No térreo, o acesso pelo deck de madeira leva à entrada para a sala de estar.

No piso superior, o dormitório tem saída para o terraço, com área de 20 m².


Na busca de uma moradia próxima ao trabalho, a arquiteta Larissa Lieders deparou-se com esta casa de vila, em São Paulo. Antes da mudança, com marido e filha, a arquiteta reformou o sobrado, de 90 m². “Quisemos uma casa compacta porque trabalhamos o dia inteiro fora, então tem que ser um lugar fácil de manter”, conta.

No interior, a arquiteta pensou em um projeto com ambientes versáteis. A sala de jantar pode abrigar também o home office, por exemplo. O lavabo com duas portas serve tanto para receber as visitas quanto para a empregada. No quintal, o varal é retrátil e,quando guardado, permite receber os amigos numa área descoberta.
Planta baixa da casa antes da reforma.
Planta baixa depois da reforma. “As mudanças foram poucas, pois a casa já era bem distribuída”, conta a arquiteta. Uma das principais alterações foi no pavimento superior, em que o banheiro foi dividido e incorporado ao quarto do casal, formando uma suíte.
A casa em Santo Antônio do Pinhal foi pensada inicialmente para uma família paulistana com um filho, com planos de mudar-se para o município. O projeto das arquitetas Raquel Gaiolla e Renata Ferrão, de 133m², teve de ser alterado com a chegada do segundo filho do casal e abriu espaço para o terceiro quarto.

Os revestimentos escolhidos são simples, com destaque para a praticidade da manutenção. “Os moradores queriam uma casa bem rústica. Assim, foi usado tijolo estrutural da própria região e pisos em cimento queimado”, conta Raquel. A vista foi privilegiada com muitas aberturas envidraçadas, que permitem a entrada da luz natural.


A planta baixa da casa evidencia a integração dos espaços na área social: a cozinha abre-se para a sala de jantar, integrada com o estar. “A integração dos ambientes favorece a sensação de amplitude do espaço”, aponta a profissional.


O projeto de 97m² em Garopaba – SC é da arquiteta Rosane Nolasco Leitzke – ela mora na casa com o marido. Os ambientes sociais estão voltados para a frente do terreno com entrada principal pela varanda.


Projetada como um loft, a casa tem os ambientes sociais integrados: cozinha, sala de jantar, estar e home office dividem a mesma área. “Como não temos filhos, quisemos uma casa prática e pequena, que não desse muito trabalho”, conta Rosane. O pé direito elevado com um grande rasgo de vidro garante a iluminação natural e a ventilação dos espaços.


Com o projeto pensado a partir do estilo de vida do casal, a integração dos espaços favorece ainda mais o convívio. “Meu marido gosta de cozinhar e eu trabalho logo ao lado, na bancada que forma o home office”, explica.


A planta baixa permite visualizar a divisão entre os dois quartos e a área social, agrupada em um bloco único.


Fonte: Casa.com.br

Link: aqui





Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...